sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Ao Pedro Passos Coelho

PORQUE ME APETECE FALAR, ENQUANTO HÁ LIBERDADE DE EXPRESSÃO:
Pedro Passos Coelho, a nível de politicas económicas e financeiras, até não esteve muito mal nesta legislatura, mas, esqueceu-se do que quer dizer as siglas do seu partido. Partido Social democrata, é um partido de cariz social, onde o seu fundador, Francisco Sá Carneiro, defendia a condição humana. É condição humana não foi cumprida por Passos Coelho, penso que não assimilou o que Francisco Sá Carneiro disse quando... Passos Coelho era um jotinha. Quando um país entra em crise económica, a primeira coisa que deve ser feita, antes de tudo, é o apoio social à população. Não se pode empobrecer uma camada da população mais do que humanamente é aceitável. Aí errou em toda a linha. A classe média baixa, fomentadora de crescimento económico foi absorvida pela austeridade sem princípios razoáveis.
Diminuir a despesa pública não é cortar salários, é ir à empresas do Estado que dão prejuízo e restruturá-las, é ir aos institutos públicos e fundações sem sentido de existência e eliminá-los mesmo que para isso, fique os amiguinhos do partido sem trabalho, certamente saberão fazer-se à vida.
Não se trata de Estado social, como o partido socialista gosta de dizer, como fosse o fiel depositário. Trata-se de olhar, como olhos honesto, para a população que está a sofrer os efeitos da crise, e dizer como primeiro ministro, que não será capaz de dormir sossegado enquanto houver fome na população, saber que vão crianças para a escola sem pequeno almoço, e que muitas vezes a única refeição quente que têm no dia é mesmo na escola.
Um primeiro ministro de Portugal não pode dormir sossegado quando coisas desta acontecem no país que está a governar.
Eu sei que esta mensagem vai chegar ao primeiro ministro, mas ele vai sempre desculpar-se que foi enviada por um esquizofrénico que lhe devolveu o cartão de militante por estas mesmas razões.
by Q. A.

Sem comentários:

Enviar um comentário