quinta-feira, 31 de março de 2016

Bhutan PM's statement at the UN SDG Summit


sábado, 26 de março de 2016

 
Andreia de Falco era assim o seu nome artístico, quando chegou a casa e não viu Jorge, pressentiu que algo não estava a bater certo. Quando foi ao quarto, mudar de roupa, viu a carta na mesinha de cabeceira. Pegou nela, estranhando e com uma certa aflição, começou a lê-la: - “ Querida Andreia, achei que não era justo continuar a responsabilizar-te pelas minhas dívidas. Tu não mereces isso, por isso, fui me embora, penso que para sempre. Não te incomodarei mais, até porque, tens a Joana para acabar de criar, e eu não tenho o direito de influenciar negativamente o crescimento de Joana. Sei que ficarás melhor sem mim, ficas liberta do meu peso.
Fui embora, mas não foi por não gostar de ti, nem de não te amar, fui embora porque te amo, e sei que é a melhor coisa que posso fazer no momento. Beijo!”
Andreia de Falco, não conteve uma lágrima caindo pelo rosto. Apesar de tudo o que estava a passar, ela gostava de Jorge. Tinha sido um homem na sua vida que também a ajudara a ultrapassar outra relação sofrida, mas já não havia nada a fazer, Jorge tinha feito as malas e partido.
Q. A.


sexta-feira, 18 de março de 2016

 É sempre com agrado que visito a minha cidade materna.
Aqui na cidade de Barcelos encanta-me o exótico popular das gentes e manufaturas por elas executadas com excelente perícia.
Apesar de já não me considerar um citadino, ainda tenho alguns tiques de muitos anos por aqui passados onde a cidade era pequena demais para mim, mesmo que fosse Londres ou Nova Iorque.
Havia a necessidade do encanto da natureza, das montanhas sem fim, do ar puro da serra, agreste, gélido e esplendo...roso na primavera e verão, para depois cair numa nostalgia terna do outono.
É sempre bom encontrar amigos nesta Rainha do Cávado que deixei, mas não me esqueci.
Descer à cidade será sempre de cabeça erguida, alheio ao desprezo de quem nunca soube compreender as minhas ingénuas e honestas convicções.
Ainda hoje, passados quase cinco anos que deixei a cidade tenho amigos barcelenses que me vão visitar e que os recebo com o maior prazer na minha modesta casa da serra. Posso até ser um lírico, um inconstante, um louco, etc., mas não me chamem de desonesto porque isso eu nunca vou permitir na minha consciência.
Tenho lidado com gente de todo o Portugal, norte a sul, e até gente dos quatro cantos do mundo, que por Castro Laboreiro passam, e alguns até ficam por tempo indeterminado. Isso só me faz concluir que nas pequenas conversas que vou tendo com as pessoas, a minha escolha de arriscar o resto da minha vida na serra do Laboreiro, foi a coisa mais acertada que fiz em toda a minha vida. Quem sabe?
Um grande Abraço para o povo barcelense, amigos e familiares barcelenses.
Q.A.



terça-feira, 15 de março de 2016

"Como é bela a madrugada na sua aurora, onde o mundo desperta.
As aves começam por ser as primeiras a dar o sinal que existe vida em plena liberdade. Tudo o de ...
mais renasce para um novo dia... ténues sinais de primavera, onde o vento mais ameno refresca a face de rostos dormentes.
Será assim o renascer da aurora, a vida mostrando o seu fulgor onde tudo o resto se precede... "
Q. A.

quarta-feira, 2 de março de 2016

A minha homenagem a Miss Tesioux, mulher de um coração do tamanho do mundo.