quarta-feira, 24 de maio de 2017

NOVO LIVRO DE QUITO ARANTES

Durante 42 anos Quito Arantes foi acumulando fatos e experiências vividas, umas a bem e outras a mal.
O que foi uma revolução lírica no sentido literário da palavra, não passou de um conjunto de interesses partidários onde  a justiça social não teve lugar. Este livro desmascara a hipocrisia vivida pelos nossos políticos, e onde dá um breve testemunho na primeira pessoa do que foram os anos conturbados do pós 25 de abril, época do PREC.

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Papa e baboseiras

Estive a ler um artigo de opinião de um conceituado médico barcelense, e fiquei espantado como se pode conciliar o ateísmo ditatorial e o Papa Francisco. Para que o senhor doutor saiba o Papa não é nenhum esquerdista, nem muito menos um salvador do mundo cristão. Ele bem tenta mudar o sistema clerical, mas enquanto que o mundo ocidental visionar o capitalismo que o Vaticano também se insere, não será possivel grandes mudanças.
Não podemos ser mecenas e ao mesmo tempo tirar proveito dos pobres. Quem precisa de ajuda, um teto, e formas de angariar receitas para sobreviver não pode estar sujeito a pressões de interesses instalados na sociedade, só por que querem ser reconhecidos como beneméritos

segunda-feira, 15 de maio de 2017

O maravilhoso mundo do já e agora

Estou de acordo com o grande pensador Professor Agostinho da Silva.
O homem não nasceu para trabalhar, mas sim para viver e criar os seus anseios.
Quem inventou...
o trabalho assalariado devia ter sido um demente.
O Estado, no mundo em geral, devia dar as condições condignas para as pessoas poderem viver normalmente sem luxos. Quem quisesse ter mais, esses sim, teria que fazer um esforço extra, mas com limites de ostentação. Assim não haveria crianças a morrer de fome, idosos abandonados e a natureza não era violentada. Isto seria um mundo feliz e não seria utópico como muitos pensam. O cerebro humano chegou a um estado de evolução que pode criar concenços de fraternidade e Amor, basta quererem.

quarta-feira, 10 de maio de 2017


ENQUANTO PORTUGAL VIVER COM PESSOAS QUE ACHAM QUE CARGOS POLITICOS  OU  HIERÁRQUICOS SÃO  SINÓNIMO DE PODER, SEREMOS SEMPRE UM PAÍS DE MISERÁVEIS.

segunda-feira, 8 de maio de 2017

O Bobo da Corte


O Bobo da Corte

 

 

"Os erros passam, a verdade fica."

Diderot

 

Num reino distante, onde imperava a justiça do Rei conquistador de um mundo de trevas, das injustiças e malvadezas de nobres sem escrúpulos, vivia um Bobo como conselheiro do seu amo. Além das agilidades para divertir a Corte e seu estimado Rei, tinha uma função pouco comum da maior parte dos reinados do velho mundo. Sempre que alguém era chamado à presença do Rei, este queria-o por perto para, subtilmente, lhe fornecer informações sobre a pessoa em causa.

O Bobo era considerado bastante culto. Tinha-o revelado, já que conseguia ler o íntimo das pessoas, entre outras aptidões como encenador de peças teatrais, exibidas também por ele. Era de uma perspicácia fora do comum, à qual o Rei não se alheava para resolver os casos mais misteriosos. Pelo contrário, ele próprio sabia a quem recorrer, quando se tratava de assuntos, mesmo os litigiosos e ninguém conseguia compreender como o seu amo os resolvia tão facilmente. Abdicava, assim, dos conselheiros da Corte para tomar decisões delicadas.

Vivia o Rei sossegado, uma vez que tinha sempre por perto o seu estimado Bobo e, por isso, havia uma cumplicidade quase desconcertante entre ambos. O Bobo, um servo da Corte, a quem nada faltava. Apesar do vestuário que o caracterizava como um criado ao serviço do seu senhor, todo ele era do melhor tecido vindo do Oriente, chegando, inclusivamente, a usar da mesma indumentária que o Rei.

Os letrados da Corte e homens abastados, que estavam sob a alçada daquele reino, tentavam descobrir o mistério do seu senhor que, aos olhos de todos, era encarado como sábio. Mas o Bobo acompanhava-o sempre e tudo fazia para proteger o seu Rei, pois estavam sempre juntos, sem nunca o desamparar, mesmo que a doença o perseguisse. Embora, por vezes, lutando com a enfermidade e, num estado febril, agia em prol daquele reinado, que o acolhera.

Era um império celibatário. O trono não tinha descendentes, por isso alguns familiares do Rei afiavam as unhas para tomar conta do poder, logo que o Rei perecesse. Um sobrinho, o descendente direto, não morria de amores por ele, e estava sempre a tentar arranjar conflitos, incriminando o seu fiel conselheiro.

Um dia, numa caçada nos bosques da redondeza, enquanto tio e sobrinho apetrechavam as suas armas, o Bobo seguia logo atrás com a matilha de cães, mas este, sendo subalterno de ambos, teve de se ausentar para obedecer às ordens do nobre sobrinho. Assim tentava um lance fatal para incriminar o Bobo, ordenando-lhe que fosse buscar água ao riacho e, sem que os dois se apercebessem, o Bobo e o Rei, o nobre sobrinho mandou por terra pedaços de carne envenenada para os cães que por ali farejavam. Claro que estes devoraram o pitéu para logo de seguida ficarem prostrados, mortos e sem ganir. Quando o Bobo chegou, já o Rei o olhava desconfiado do acontecimento e perguntou-lhe quem tinha sido o autor daquela carnificina. Ele, boquiaberto, não sabia o que responder, apesar de ser um homem de resposta imediata. Por sua vez, sorria de contentamento e com cinismo o sobrinho do Rei, pois sabia que a responsabilidade pelos animais, de que tanto o seu amo gostava, era inteiramente do seu fiel conselheiro. Por isso, o Rei, num ato de ira e incitado pelo sobrinho, castigou o seu servo da Corte, mandando-o para terras do além. O Bobo ainda implorou a sua inocência, mas de nada lhe valeu.

Os dias foram passando na Corte, desta vez já sem a mesma animação, apesar de o Bobo ter sido substituído por outro, mas agora somente para o divertir. O Rei solitário começou a sentir a falta das confidências do seu Bobo, outrora tão estimado. E o sobrinho começara a aproximar-se cada vez mais do seu senhor e a redobrar a sua confiança, no entanto todos sentiam que os assuntos eram resolvidos com bastante repressão por ostentação do “herdeiro” do trono e o Rei não via com bons olhos esta magnificência, pois sempre conduzira o reino com justiça “séria”.

Os anos foram passando e não havia notícias do Bobo da Corte; alguém inventara apenas que ele tinha sido morto por furtos praticados, nas terras do além.

A tristeza pairava no coração do Rei, pois nunca mais fora o mesmo. Irritava-se facilmente e não atendia os pobres que lhe pediam ajuda, o que nunca fizera no tempo do Bobo. O povo estava a ficar descontente com o seu amo e este, já com uma idade avançada, preparava-se para delegar o trono ao sobrinho que, com lamentações medíocres, agia de forma a conquistar, definitivamente, o poder.

As Cruzadas perduravam nas terras do além e constava-se que um cruzado se distinguia pela sua força e coragem, nos planos estratégicos face às conquistas aos infiéis. Ninguém sabia a sua origem, apenas era conhecido por Guilherme, o estratega.

Um dia o Rei, já bastante debilitado e a braços com uma guerrilha, contra o reino vizinho, solicitou a presença do presumível sucessor, o sobrinho. Este, pensando que o tinha chamado para tomar as rédeas do poder, apressou-se, a fim de apresentar todas e quaisquer informações sobre táticas bélicas. Mas o Rei pretendia obter, somente, dados concretos sobre o tal “estratega” das cruzadas, Guilherme, ordenando que o trouxessem até ele. O sobrinho ficara desiludido, mas acatou a ordem do tio, pois teria de fazer tudo o que lhe pedia para conseguir uma sucessão pacífica. Por isso, enviou um mensageiro às terras do além, onde o audaz Guilherme o recebeu serenamente. Ao receber a mensagem e sabendo que o seu amo estava em maus lençóis, falou com as chefias e em grande cavalgadura foi ao encontro do seu amo.

Havia muito mais do que vassalagem e servidão entre ambos! Havia companheirismo; amizade de longos anos; emoções fortes, vividas por ambos na Corte. E Guilherme estava decidido a acabar com o grande equívoco, que o separara da Corte e da relação amigável com o Rei.

Vestido de cavaleiro, com armaduras das Cruzadas, imponente como as suas palavras sábias, aquando do tempo na Corte do seu Rei, atravessou o velho continente, preparando, estrategicamente, o afastamento do sobrinho, mal-intencionado às rédeas do trono. Sabia que tinha sido o cruel sobrinho do Rei que lhe tinha feito a cilada e, para astuto, astuto e meio.

Toda a fisionomia do Bobo tinha mudado. Agora, estava queimado pelo sol abrasador das terras do além; os cabelos caíam-lhe pelos ombros e umas barbas rarefeitas preenchiam-lhe o rosto, sulcado pelas vastas intempéries. Certamente que não o iria reconhecer, e isso era um trunfo para ele.

Numa entrada imponente, com a sua armadura e cabelos ao vento, Guilherme seguiu até aos paços do Castelo do Rei, onde galinhas, patos e gansos esvoaçavam à sua passagem. E o povo dizia que era ele, “o estratega” e acrescentavam: “Bendito sejas!”.

Toda a gente reconhecia que seria este homem que salvaria o reino e suas vidas da tirania do reino vizinho, que tentava conquistar aquele burgo, onde se vivia em paz, pelo menos até à expulsão do Bobo.

O nobre, sobrinho do Rei, prontificou-se a receber o “estratega” das Cruzadas; este, ao longe, avistara o seu senhor, na sacada do seu quarto. E, como conhecia todos os cantos do castelo, foi direito à poltrona do reino. Ali, já sua majestade aguardava ansioso por ele.

Venerou-o e disse que estava ao seu serviço, em prol do seu reino. O Rei sentiu a firmeza das suas palavras e, reunidos com os conselheiros do reino, militares e escrivães, planearam toda a estratégia para repelir o ataque vizinho, que estava preste a acontecer. Guilherme ouviu, atentamente, tudo que se passava e, num gesto talentoso, construiu um documento de parcerias de terras com o reino vizinho, onde se aceitassem, pois nada ficava perdido. Eram terras em defeso que, nos próximos dez anos, de nada serviriam e, em contrapartida, seriam dadas terras bravias que, sem que o reino vizinho soubesse, estavam prontas a cultivo. Nas incursões que Guilherme fez, por terras de além, soube também analisar solos, que à partida seriam incultos e torná-los férteis. Com aquele salvo-conduto, poder-se-ia chegar a um acordo e foi exatamente o que aconteceu. O acordo foi aceite e sem derramamento de uma gota de sangue.

O Rei ficara deslumbrado com a manobra persuasiva do estratega das Cruzadas, pois fazia-lhe lembrar os bons tempos com seu amigo Bobo da Corte. E os olhares de ambos cruzavam-se, constantemente, como que havendo algo para dizer um ao outro.

No dia seguinte ao acordo de paz, o sobrinho do Rei convidou Guilherme para uma caçada, já que o Rei não podia, devido à sua debilidade física. Enquanto percorriam os bosques em busca de caça, com toda a comitiva, Guilherme aproveitou a distração momentânea do nobre para levar os cães em busca de uma fictícia peça de caça que levava no alforge. Como se de algo divino se tratasse, os cães, depois de cheirarem a peça de caça simulada, desataram, num latir ensurdecedor, em direção ao nobre. Este, ignorando o que realmente o cercava, protestava com os animais, mas sem sucesso, até que Guilherme, num assobio aflautado, fez terminar aquela algazarra. O sobrinho do Rei ficou surpreendido, com o modo tão eficaz, o de fazer parar aquele alarido, protagonizado pelo estratega. Então questionou-o:

- Como fez isso… tão repentino e eficaz!?

Com a pretensão de fazer reavivar a memória ao nobre, disse:

 - Conta-se, por estas terras vizinhas, que um dia, em tempos passados, o Bobo da Corte foi expulso pelo Rei deste reino numa caçada, acusado de ter envenenado os cães deste soberano. Mas, também se soube, mais tarde, que não tinha sido ele que matara os cães, mas sim alguém inimigo por inveja da relação amistosa entre os dois, o Rei e seu servo, o Bobo. 

O nobre, ao ouvir a história, deu uma gargalhada, dizendo:

 - Ora, ora! Toda a gente sabe que foi o Bobo que envenenou a matilha; ele queria ser livre e o Rei não lhe dava essa liberdade, portanto…foi uma forma inteligente de se ver livre do Rei.

O nobre pressentia que algo não estava bem, naquele dia de caçada. Sem saber porquê, o estratega apresentava indícios de alguém muito familiar ao trono de seu tio.

De volta ao castelo, entrou nos aposentos reais, onde o Rei esperava por ele. Olharam-se nos olhos e o soberano notava que o rosto dele lhe lembrava alguém muito chegado. Os olhos do estratega fulminavam-no e, num olhar fulgente, o Rei reparou na cicatriz do pescoço de Guilherme, aquando este compunha os seus longos cabelos. Então o Rei saltou da sua poltrona, abriu os braços de satisfação e, num forte abraço, disse:

- Algo me dizia que eras tu, meu companheiro! Eu sabia que só poderias ser tu para me salvar destas gentes atrozes! Perdoa as minhas injustiças! Já soube quem envenenou os cães! Foi o malfeitor do meu sobrinho…

Guilherme venerou o seu Rei:

- O destino trouxe-me a sua Alteza e eu estou aqui para o servir, se assim o desejar!

O Rei, numa felicidade reluzente, dirigiu-se à Corte:

 - Faça-se festa! O meu querido Bobo regressou, faça-se festa!

 

 

 

 

 

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Senhor primeiro ministro: - Consegue viver com 284,00 € por mês? Há centenas de milhares de portugueses que não estão conseguindo... Sua Exa, largue o pudor do Estado Social e ajude realmente quem precisa. Sem abrigo, reformados de invalidez, etc... você é a maior vergonha que apareceu desde o 25 de abril de 1974. Ponha a mão na consciência e veja se consegue dormir direito.

terça-feira, 2 de maio de 2017

Palhaços de Estrasburgo

VOCÊS AÍ EM ESTRASBURGO QUE PASSAM A VIDA A VIGIAR O MEU BLOGUE, DEIXEM-SE DE PALHAÇADAS E COMENTEM, AO MENOS, O BLOGUE.