sábado, 29 de abril de 2017


Houve tempos em que vivia o mundo da lua, mas era uma lua de lunático que não media as consequências. O tempo foi passando, machadada em machadada. Havia gente muito próxima de mim a sofrer por mim, a cada passo, e eu na minha ignorância sem aperceber-me de nada.
Um dia já não muito jovem acordei da minha inocência, o mundo tinha caído a meus pés. Então derramei lágrimas de sangue sofrido, como se fizesse um pedido de perdão do imperdoável.
Eu era só um adulto que não tinha crescido como pessoa, como homem responsável, e agora havia um caminho doloroso para percorrer, consciente, onde parecia não haver fim.
Olhei-me ao espelho e reparei que tinha envelhecido, estava realmente numa curva descendente.
O que me salvou foi o Amor pelas coisas pelas pessoas sem interesses particulares, por uma natureza violentada por seres irresponsáveis sem um pingo de vergonha. Foi nesta altura que resolvi fazer da minha vida um bombeiro da boa vontade, e por aqui quero ficar...
Quito Arantes
29/04/17