sábado, 17 de outubro de 2015

A ESTRADA - Micro conto

Naquela estrada viam-se caminhantes perplexos, viam-se desejos incontornáveis de vidas condignas.
Viam-se crianças com sonhos reais, que não eram perpetuados por negligência dos adultos.
A estrada não tinha fim à vista, era uma continua incongruência dos desesperos de homens e mulheres que fugiam deles próprios.
Assim aquelas vidas caminhavam na insegurança que elas próprias se propuseram.
As crianças, essas, tornavam-se adultas precocemente, matavam-lhes toda a sua meninice.
 
Micro conto 
by Q.A.