quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Pelos olhos de um novo Povoador

 

A cada dia que passo, neste belo e acolhedor lugar onde vivo, sou surpreendido pela pura sensibilidade e natural dos meus vizinhos.

A entreajuda é uma realidade no dia a dia. Está no sangue desta generosa gente de tão honrados costumes.

Ver as senhoras do Lugar na ajuda à minha pessoa, que infelizmente não consigo dar conta do recado em tempo útil, mesmo a vontade não me faltando.

Depois as pessoas da cidade dizem: - É maluco, meteu-se na serra… é um solitário, um eremita…. Mas como essas pessoas estão equivocadas. Não sabem do que falam, mas acreditem que não sabem mesmo, pura ignorância.

Nestes anos que vivo na serra, nunca me senti sozinho, sempre tive bons vizinhos, que nunca me deixaram de “mãos a abanar”.

Quem na cidade se preocupa com o seu vizinho? Muito poucos, quase nenhuns. Eu sei disso porque também vivi na cidade durante muitos anos, anos perdidos na imensidão do betão. Mas com isto, não quero dizer que não me serviram para poder falar dos “dois lados da trincheira”.

Agora no meu olhar de novo povoador, posso dizer, com toda a firmeza, que o risco que corri ao deixar a cidade foi a melhor coisa que fiz na minha vida toda.

Vivam! Gentes da serra do Laboreiro.
 
by Q.A.