segunda-feira, 10 de março de 2014

" A Carta nas Quatro Estações "

Capítulo XXXI


Já temos dias de primavera, andorinhas, serezinos e demais passarada enchem o céu e os ramais, floresce o tempo novo que dentro de pouco mais de duas semanas, poderemos dizer que a nova estação do ano, entra definitivamente nos nossos corações ansiosos do renascer da natureza.

Há uma nova alegria no sentir das pessoas, as árvores começam a rebentar os seus folheados, entra-se num novo ciclo da natura. Já comecei a deitar algumas sementes à terra. Pretendo ter um novo colorido nos meus canteiros, onde possa ver toda a beleza do tempo primaveril.

Quero renovar o meu pensar sobre as coisas, encontrar novos olhares, indo ao encontro dos meus ideais, em sintonia com o mundo revisto por mim. Sabes amiga, tudo isto são vontades de estar perto de Deus, de encontrar um novo respirar na vida, por vezes, um pouco madrasta.
 Neste viver sereno, com a esperança de dias melhores, é sempre um bem provedor de novas realidades. O conformismo nunca esteve presente no meu viver, cada dia que passa, é uma nova aventura neste caminhar sem destino. Ainda ontem tive visitas inesperadas de bons amigos, como eu me senti feliz com a presença destas boas amizades. Quem vem por bem é sempre bem-vindo ao um lar, que entrego o meu aconchego a estas amizades que se vão prolongando pelo tempo. Gosto de receber bem os amigos como se duma irmandade se tratasse.

Agora, é preciso ganhar uma nova sustentabilidade, uma nova gestão das emoções, como se voltasse a uma nova aprendizagem. Terei sempre que assumir os erros que cometo como homem imperfeito que sou. Encerro este novo ciclo da minha vida para um novo despertar, onde agarro este viver em harmonia com os meus semelhantes.  

By Quito Arantes

Sem comentários:

Enviar um comentário