terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Um dia perguntei ao vento o queria de mim... Ele disse-me que queria levar-me a ver o mundo da gratidão. Então eu eufórico, montei no seu cavalo alado, e como se de nada acontecesse, reparei que o vento sempre parava perto de uma familia de animais, fossem eles quem fossem. Levava-me a percorrer as suas cadeias alimentares, suas brincadeiras ternas e sem maldades.
Depois de várias viagens pelo mundo animal, o vento fez-me descer do cavalo alado e disse-me: - Se um dia quiseres compreeender os humanos terás que te lembrares do teu convívio com os animais e suas famílias e assim poderás ter companhia até à tua morte.
 
Grupo de leitores de Quito Arantes - facebook.com