sábado, 16 de abril de 2016

A Geringonça e afins

Que me diga essa geringonça formada pelo PS e os partidos apendiculares; Bloco de Esquerda e Partido Comunista. Não falo do Partido Ecologista os Verdes , porque esses se não estivessem acopulados ao PC, não tinha espressão parlamentar.
Que me digam, quais as reformas estruturais que estão a executar para criarem um país mais justo e sem penalizar o mais comum dos contribuintes?
Que me digam estes iluminados, muitos deles, há quarenta anos no Parlamento da República, o que f...
izeram por Portugal e o que estão a fazer para pôr o país a crescer, socialmente economicamente?
O que só estou a constactar é o desfazamento das politica de restruturação do país, muito feito à custa do sacrificio dos portugueses que estavam a acreditar que seria esse o caminho para um país melhor.
Esta geringonça só pensa a curto prazo, um prazo que nunca será proveitoso para as gerações futuras.
Um país que se quer desenvolver tem que pensar a vinte anos, como no caso da Finlândia, que em vinte anos passou de um país ruinoso a um país prósporo, com um ensino mais avançado do mundo.
Esta geringonça gerida por António Costa, é nada mais , nada menos, do que o retorno ao despesismo, que vai ser pago pelos contribuintes portugueses. E não me venham com os bancos falidos e seus incompetentes gestores, porque tudo começou na era de Teixeira dos Santos, ministro das finanças do PS. Ou já não se lembram? BPP, BPN.
O que mais me custa é ver politicos ditos de esquerda, usarem os seus interesses instalados no poder politico para seu proveito.
Se ouvesse um partido politico que numas eleições legislativas apreguasse o medelo politico de governação sueco, certamente ganharia com maioria absoluta. E é isso que o povo quer , mais nada, igualdade de direitos e deveres, como os suecos.
Mas não, não... os nossos amados politicos corriqueiros não querem perder as suas regalias e direitos adquiridos sem sufrágio nacional.
Com estes politicos e partidos instalados no poder, seremos sempre os eternos desgraçados da periferia da Europa.
Q. A.

Sem comentários:

Enviar um comentário