sábado, 3 de outubro de 2009

Apúlia - Gente do mar


Ainda o sol não nasceu e no meio de um nevoeiro serrado, os homens do mar vão fainar, bem cedo pelo que presenciei, eram 5:30 horas. Outros iriam uma hora mais tarde. Estiveram cerca de 4 horas no mar escuro como breu, felizmente ajudados com as novas tecnologias( GPS). Após conversa com alguns pescadores, tomei conhecimento como se transportava os barcos para o mar há cinco décadas. Desde os carros de bois ou mesmo  jugos puxados por estes homens valentes e destemidos, até ao guincho que mais tarde foi abandonado devido à lentidão do reboque.Agora com investimentos mais avultados, usam os tractores com uma mobilidade bem melhor. Para fazer face à competividade e exigência do mercado, estes pescadores de pesca artesanal adaptaram-se aos tempos modernos.
Não há nada como ver o peixe fresquinho a sair do
mar e levá-lo para casa, para uma boa refeição de peixe fresco.
Desde já os meus agradecimentos aos pescadores de Apúlia por este cenário partilhado da chegada da faina do mar.

3 comentários:

apcoelho disse...

muito virado ao mar e madrugador :)
abraço.

Sofia Carvalho disse...

è verdade Francisco, esses senhores que se aventuram todos os dias pelomar adentro, enfrentando tempestades e a revolta dos mares, merecem sem dúvida alguma uma grande homenagem! realmente é uma espectaculo ver esses senhores a chegar à costa com o peixe fresquinho:)
sim, a minha música que tenho no blogue é de Keith Jarret;)
Gosto muito dele!

Telmo disse...

Belas fotos representativas da dureza da vida do pescador no mar, eu sou de Espinho e presenciei muitas vezes esses movimentos da ida ao mar ainda na época em que se utilizavam os bois, tambem o ar pesado quando alguns deles la ficavam e as familias e o povo ficavam a aguardar junto ao mar que este os trouxesse de volta, eram tempos duros mas quando havia fartura também havia festa e alegria...